Escritorio_arquitetura_dicas_arquitete_suas_ideias

Muitas pessoas conseguiam, umas mais facilmente e outras com um pouco mais de dificuldade. Por que você não conseguiria também?

É possível que você esteja somente começando a pensar sobre o assunto, ou talvez você já esteja na briga faz alguns anos e ainda nada deu certo. Onde estão os problemas? Seus amigos dizem que você é competente, seus pais dizem que você é brilhante, mas e o mercado? O que diz?

Será que seus amigos só estão te encorajando e seus pais estão mesmo é preocupados com o seu futuro? Bem, como eu, muitas pessoas querem um dia ter seus próprios escritórios, mas todo mundo sabe que não é assim tão fácil começar do zero. Segundo Mark Cavagnero, 99% dos desafios não estão em dar conta dos pedidos, como negociar contratos, como contratar seu primeiro funcionário ou resolver se vai usar o REVIT ou o AutoCad. Todos esses são problemas, claro, mas o principal problema é como conseguir ser contratado? Mark abriu seu escritório em São Francisco há 19 anos e a principal pergunta que ele traz é “De que maneira, realmente, você sai para sua vida de arquiteto por conta própria e consegue sobreviver?” Segundo ele, essa é uma parte que ninguém nunca comenta.

Claro que montar um negócio evolve muita lágrimas e suor, e com certeza um pouco de sorte, mas sempre é bom saber das pessoas com mais experiência que nós, como foram seus escritórios no início de carreira, suas estratégias e principalmente, o que não fazer para afundar o barco.

Para isso, aqui estão algumas dicas de como começar o seu novo escritório de arquitetura:

1. Quem é você?

A primeira coisa, antes de sair por aí distribuindo panfletos, pagando para aparecer em páginas em revistas ou mesmo incomodando clientes, é pensar “o que quero ser quando crescer”, pois somente isso definirá sua marca, se você será visto como um arquiteto paisagista, como um arquiteto de interiores ou um arquiteto comercial, por exemplo. Você precisa achar sua paixão, saber o que quer e gosta de fazer, pois se nem isso você tiver claro em sua mente, você não conseguirá se comunicar com seus clientes.

2. Socialize-se com os clientes que você quer

Ter a seu próprio escritório significa estar sempre correndo atrás do relógio. Não existirá mais a separação do durante o trabalho e o depois do trabalho. O que haverá será uma vida social onde você sempre estará buscando um trabalho. Você precisará estar onde você quiser estar. Por exemplo, quer projetar em um determinado bairro? Quer arranjar clientes fora do seu círculo social? Comece a dar caminhadas, visite parques, conheça pessoas, compareça em festas diversas. Mas você não pode parecer que esta caçando pessoas ou clientes, é preciso ficar “relaxado” como se não precisasse de nada. “É ser você mesmo, as pessoas apreciam e gostam de ver isso, não somente um vendedor qualquer que esta lá para mostrar seus serviços”, diz Samuel Fajner.

Outro detalhe é que para projetos institucionais, governamentais ou educacionais, hoje em dia existe muita burocracia, incontáveis leis e inúmeros prós e contras. Com isso, os clientes públicos, com medo de tantos quilos de papéis para assinar, ficam com medo até mesmo de almoçar com o arquiteto. Ou seja, ser sociável e saber conversar conta muito na hora de fazer negócio.

3. Procure conhecer o que sua cidade oferece para pequenos empresários.

Conheça quem trabalha sozinho, quem trabalho em grupo, quais fornecedores são melhores para pequenas obras, como tentar pegar um pouco de sol entre os grandes. Afilie-se em associações de escritórios de arquitetura, vá em reuniões do ramo, simpósios, conferências, tudo o que puder. Munido de todas as informações possíveis, fica mais fácil saber onde pisar ou com quem contar no futuro.

4. Peça por conselhos.

Pegue o telefone, selecione 5 escritórios que você admira e ligue para eles. Ao falar com o chefe diga: “Este é o meu nome, tenho essa idade e eu quero montar o meu próprio escritório. Eu sei que você começou sua empresa há X anos e eu realmente gostaria de poder conversar com você, entender pelo que você passou, suas lutas, as lições que aprendeu e os erros que você cometeu que podem salvar a minha vida”.  Segundo Fajner, é impressionante como um telefonema sincero torna as pessoas receptivas, que podem vir a te ajudar muito no seu começo de carreira.

5.Marketing

Quando você tem um escritório com uma ou duas pessoas, “marketing” pode soar um pouco luxuoso demais não é mesmo? Mas não importa sua situação, fazer com que as pessoas saibam quem é você e o que você faz é essencial. Assim que puder, você precisa publicar algum trabalho. Claro que isso envolve custos e nada é de graça, mas concentre seu dinheiro. Melhor uma boa publicação com boa visibilidade do que algumas citações perdidas por aí.

No começo ficamos perdidos em como realmente mostrar o nosso trabalho não é mesmo? Mas se pararmos para pensar, somos “treinados” para resolver problemas certo? Mas da mesma forma, parece que temos barreiras na hora de nos autopromover de forma criativa. A dica de Cass Calder Smith é para pensar nisso como se fosse qualquer outro projeto. “Pare tudo e pense, sou um arquiteto criativo e estudei para isso, resolvo problemas com criatividade. Isso é o que eu faço: resolvo problemas, então vou aplicar isso na minha situação e no meu negócio!”

Depois, com mais dinheiro em caixa é aconselhável deixar isso para os profissionais da área. Afinal se todo mundo tivesse um pouco de arquiteto em si para sair projetando, ninguém iria nos contratar não é mesmo?

Não perca as próximas dicas, aguarde!

Fonte: Architizer, imagem

Leia também:

ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA CRESCE COM SISTEMA ON-LINE PARA ACOMPANHAMENTO DE PROJETOS

ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA DE SELGASCANO

COMO ABRIR SEU PRÓPRIO ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA. PARTE 2

Dê o seu Feedback, avalie esse post: